Piso 3

entrada: Condições Gerais

Sousa Lopes 1879-1944. Efeitos de luz

Adriano Sousa Lopes

2015-07-18
2015-11-08
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Carlos Silveira

Adriano de Sousa Lopes (1879-1944) foi um dos primeiros artistas portugueses a adotar práticas impressionistas. Começa por se interessar por fantasiosas narrativas lendárias e por momentos épicos da História de Portugal, inspirando-se em estéticas simbolistas, mas deixa-se seduzir pelos impressionismos e por artistas como Monet e Besnard, em Paris (1903). Nos museus e em viagens pela Europa adquire uma cultura artística invulgar que se reflete na produção de uma longa série de obras realizadas em Veneza.

Pintor histórico de formação, alista-se como artista oficial do Corpo Expedicionário Português na Grande Guerra (1914-18). Testemunha e regista os episódios dramáticos e as paisagens devastadas em notáveis gravuras a água-forte, comoventes desenhos e trágicas pinturas.

Nos anos 1920, o excelente núcleo de retratos de Marguerite Gros, sua mulher, assegura-lhe um lugar original como retratista de imagens no feminino, no centro do modernismo português, embora sem o integrar. É neste período que Sousa Lopes constrói séries impressivas de luz, em diferentes fases do dia, explorando a representação do movimento das ondas, assim como a faina dos pescadores, em enquadramentos escolhidos – são paisagens do litoral português, entre as praias da Caparica, Nazaré, Aveiro e Furadouro.

Diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea de 1929 a 1944, Sousa Lopes sucede a Columbano no cargo. Preocupa-se com a ampliação do museu e com uma política de aquisições que privilegia núcleos oitocentistas mas, garante, pela primeira vez, a incorporação de autores modernistas.

Um conjunto significativo das fases fundamentais da obra de Sousa Lopes integra a coleção do MNAC-MC, sendo esta a primeira exposição monográfica do autor no museu que dirigiu. Serão apresentadas cerca de 100 obras, entre as quais algumas pinturas inéditas pertencentes ao Musée de l’Armée de Paris, fundamentais para a compreensão do entendimento sensível e do expressivo realismo deste autor.  

Maria de Aires Silveira

 








Atividades

    2015-07-17 19h00
    Inauguração da exposição "Sousa Lopes 1879-1944. Efeitos de luz"
    2015-07-31 14h49
    Visita guiada por Fernando Rosa Dias
    2015-09-10 18h30
    Visita guiada por Maria de Aires Silveira
    2015-09-26

    15h00
    18h00
    FAZER GRAVURA COMO SOUSA LOPES – MNAC-MC
    2015-10-01 18h30
    Visita guiada por Carlos Silveira
Ver todas as atividades 3

Em Exibição

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

A incontornável tangibilidade do livro ou o ANTI-LIVRO

2019-03-22
2019-08-04
Curadoria: Luis Alegre e Adelaide Ginga
Materialmente estimulante, imaterialmente ilimitado, o Livro é talvez, o objeto dos objetos
Exposição Coletiva

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção