Echoes on the Wall - Rita GT: We shall overcome!

Atrium

entrada: Condições Gerais

Echoes on the Wall

Rita GT: We Shall Overcome!

2015-12-05
2016-01-10
Curadoria: Adelaide Ginga

O projeto ECHOES consiste num ciclo de exposições individuais que reúne jovens artistas de origem portuguesa, a trabalhar e residir fora do seu país de origem. Artistas que apresentam, na sua maioria, um currículo construído com exposições realizadas no estrangeiro, onde têm ganho crescente reconhecimento, mas com pouco ou nenhum eco em Portugal. Ainda que a maioria destes criadores procure divulgar o seu trabalho no país natal, com a realização pontual de mostras, são de um modo geral pouco conhecidos e acabam por estabelecer maior contacto com importantes centros artísticos internacionais.

Durante cerca de um ano, o MNAC irá realizar um ciclo de mostras individuais na parede de fundo do atrium do Museu. É neste espaço de acolhimento que os visitantes são interpelados por trabalhos recentes ou inéditos de nomes da diáspora cultural portuguesa, que espelham as novas linguagens de criação artística contemporânea. O convite foi lançado a artistas lusófonos estabelecidos em países com comunidades portuguesas relevantes ou em crescente afirmação, nos cinco principais continentes de destino migratório. Valorizou-se uma visão plural com perspetivas culturais diversas e experiências artísticas distintas.

Sendo a arte uma área privilegiada para a abordagem de questões políticas, económicas, sociais, etc., estes “Ecos” propõem também a reflexão sobre questões pertinentes da atualidade: o reativar do impulso à emigração, as miscigenações sociais e respetivas hibridizações culturais, os diferentes modelos e parâmetros de integração e cidadania, a dicotomia no que toca à identidade e o surgimento de novas geografias emocionais. Esta iniciativa visa estabelecer a ponte entre as novas gerações de criadores portugueses que estão fora do contexto nacional e o MNAC como espaço de excelência no contacto com a arte contemporânea portuguesa e local de acesso à novidade que estimula novos olhares sobre o real.


de 05/12/2015 a 10/01/2016

Rita GT: We Shall Overcome!


We Shall Overcome! é uma mensagem mundialmente conhecida, com origem num cântico gospel, “I Will Overcome”, do final do Século XIX. Este cântico foi adaptado, em 1948, pelo cantor norte-americano Pete Seeger como canção de protesto, tendo-se difundido, e tornado nos anos 60, um hino do movimento de luta pelos direitos civis dos negros na América do Norte. A partir daí, tem sido utilizado em diversas situações de contestação, nomeadamente nas marchas de Selma para Montgomery; no combate antiapartheid na África do Sul; no último discurso de Martin Luther King; na Revolução de Veludo em Praga, e até na Índia.

Rita GT, apropria-se do título desta canção - hino de luta pela liberdade de expressão, pela igualdade de direitos sociais e raciais, de movimentos pró-democracia em todo o mundo - para lhe dar uma nova dimensão espacotemporal. O seu trabalho reflete o atual sentimento de descontentamento e injustiça, de uma democracia defraudada por tiranias subversivas que minam e dominam a sociedade, a política e a economia. A artista explora as questões que geram tensão social não só em Angola, onde vive, desde 2012, mas também no resto do mundo, como as migrações ilegais, o tráfico humano, terrorismo e as mortes massivas.

O trabalho apresentado no MNAC resultará de uma performance que decorrerá no dia da inauguração e ficará registada em vídeo e disponível, a partir do dia seguinte, no espaço expositivo e online. Nesse dia, um grupo de pessoas com fatos-macacos feitos com pano africano de padrão criado pela artista, entrará no Museu para preencher a parede, inicialmente vazia, com um papel de padrão também criado pela artista. Este processo será acompanhado pelo músico nigeriano Keziah Jones e um grupo de bailarinos. A artista participará também na colocação do papel e sobre ele irá desenhar sinais ligados ao conceito das palavras de ordem.

Convocam-se assim, numa acção multidisciplinar, diversas vertentes da utilização destas palavras de luta e protesto: a música e a força das palavras; a ligação aos direitos dos negros, e aos direitos das mulheres; a marcha e o princípio de luta pacífica; a força do grupo; a ideia de resistência e a importância da interpretação artística e do que importa perpetuar.

Adelaide Ginga 

Curadora

Atividades

    2015-12-04 19h00
    Inauguração da exposição de Rita GT "We Shall Overcome!"
Ver todas as atividades 1

+ Info

Em Exibição

NOITES DE VERÃO 2019

Concertos às Sextas-feiras em Agosto

2019-08-02
2019-08-23
Curadoria: Filho Único
NOITES DE VERÃO 2019 concertos às Sextas-feiras em Julho no Jardim dos Coruchéus em Agosto no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado pelas 19h30 e com entrada livre
Concertos

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção