PEDRO GOMES, Encontro às Cegas, MNAC

MNAC - Rua Capelo

entrada: Condições Gerais

Encontro às Cegas

Pedro Gomes

2020-02-14
2020-04-05
Curadoria: Emília Ferreira e Hugo Dinis

Encontro às Cegas

PEDRO GOMES

Museu Nacional de Arte Contemporânea 

Curadoria: Emília Ferreira e Hugo Dinis

Inauguração: 13 de Fevereiro, 19h.

Entrada pela Rua Capelo, 13

Exposição patente de 14 de Fevereiro a 5 de Abril 2020

 

Pedro Gomes (1972, Moçambique) traz ao Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) a exposição individual e antológica de desenho, Encontro às Cegas. Patente de 13 de Fevereiro a 5 de Abril, tem curadoria de Emília Ferreira e Hugo Dinis.

 

Apresentando cerca de duas dezenas de trabalhos, de um percurso consistente de 25 anos de criação, Pedro Gomes propõe, em Encontro às Cegas,um pertinente debate sobre o desenho e as imagens que nos rodeiam. Reflectindo sobre uma sociedade em que o excesso é norma e em que a urgência de criar imagens parece inesgotável e sem critério, Pedro Gomes questiona o que considera um caminho para a desumanização, no qual as imagens vivem um ciclo autofágico, sem capacidade real de comunicação, promovendo a incomunicabilidade. As obras escolhidas para esta exposição projectam, criticamente, um desenho assente em pressupostos reais, a partir dos quais o artista tenta resgatar a sensibilidade e reencontrar a emocionalidade perdida.

 

A exposição contará com a apresentação de 2 séries inéditas de desenhos, realizadas em 2019 e 2020, dando continuidade aos desenhos apresentados pelo artista nas últimas exposições nas galerias Appleton Square, Galeria Diferença e Galeria Presença. Nessas ocasiões, as imagens de edifícios e de interiores de museus de arte contestavam a ideia de ecrã como uma possibilidade em aberto onde tudo podia aparecer. 

Mostrando a coerência da criação do artista ao longo deste quarto de século que se cumpre, serão mostradas obras inéditas, que pertenciam ao artista Pedro Cabrita Reis, e que actualmente se encontram na Colecção da Fundação EDP, como a escultura Estarei sempre contigo, de 1995, e os desenhos Linha de Fogo, de 1999, e o desenho I’m afraid I’m not here at the moment, but you can leave a message after the beep…, de 1996, que então se relevou central na efectivação da presença de Pedro Gomes na exposição New Contemporaries, em 1997, em Glasgow. 

Além disso, pensado na sua impossibilidade de produzir imagens, a obra Linha de Fogode 1999, em que o fogo queima, literalmente, as linhas criadas por uma máquina de filmar, destruindo a imagem e, paradoxalmente, desenhando novas formas e as suas possibilidades reais, o debate sobre a própria natureza do desenho é aqui expandido. O mesmo acontece com a escolha das obras Masturbações, de 2003, em que o acumular de uma certa realidade (pós, lixos, resíduos e outras pequenas partículas) leva à construção de imagens, explícitas ou indecifráveis, que sugerem imagens fetichistas e inebriantes.

 

No decorrer da exposição será publicado um catálogo com imagens das obras e da exposição, além de uma entrevista ao artista por Emília Ferreira e de um texto antológico por Hugo Dinis.