Michael Biberstein: Wide Grey, 1991
Michael Biberstein: Wide Grey, 1991

MNAC

entrada: Condições Gerais

Do Sublime

1994-09-15
1994-11-07
Curadoria: Isabel Carlos
A reabertura do antigo Museu de Arte Contemporânea agora designado - Museu do Chiado - efectivamente mais adequado à colecção que abriga e à nova dinâmica crítica do respectivo espólio (em ligação com o espaço sócio-cultural do Chiado oitocentista e do primeiro modernismo) implica, igualmente, um investimento em estruturas periféricas aptas a albergar exposições temporárias.
Sempre foi nossa intenção, em todos os museus da rede nacional do Instituto Portugues de Museus, pôr em diálogo a arte do passado com a arte da nova contemporaneidade. Ora, o Museu do Chiado, no âmbito da sua renovação, vem agora colocar a tónica neste diálogo, cada vez mais necessáno não apenas para difundir junto do grande público o gosto pela arte que hoje se produz, mas também como meio de esclarecer em retrospectiva (e prospectiva) os laços que unem, em todos os tempos e lugares, a arte enquanto categoria universal.
Neste caso, a estética do Sublime serve essencialmente um discurso que procura dar a entender a revisrtação à pintura clássica em plenos anos 90 e como aliciante proposta de releitura e diálogo com a históna de arte. A este projecto que tem lugar no Museu do Chiado e que conta com a presença dos artistas Michael Biberstein, Miguel Branco, Rosa Carvalho e Ruth Rosengarten, associa-se um segundo "volet", no Museu Nacional de Arte Antiga, com uma instalação conjunta de Markus Ambach e de Rui Chafes.
Projecto entre linguagens, interrogação da continuidade de uma estética que hoje anda é paradigma de criaçâo, a aposta feita dirige-se, também, para os artistas contemporâneos e para a produção original de trabalhos no quadro de Lisboa 94 - Capital Europeia da Cultura.
Queiram os visitantes encontrar face a estas obras contemporâneas o mesmo prazer de contemplação e deleite que experimentam face às obras dos inúmeros artistas consagrados pela história e pelo tempo, e que hoje são memónas vivas e activas de um património universal.

Simonetta Luz Afonso


Exposição apresentada no âmbito da "Lisboa, Capital Europeia da Cultura 94".

Em Exibição

Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas

2019-09-13
2020-03-22
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
A exposição dedicada a Sarah Affonso (Lisboa, 1899 – 1983) é uma de duas que, neste ano em que se celebram os 120 anos do nascimento da artista modernista, recordam a sua vida e obra
Exposição temporária

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-10-13
Curadoria: Adelaide Ginga
O projeto CT1LN de Henrique Vieira Ribeiro tem vindo a ser desenvolvido desde 2014 e consiste na interpretação artística de um espólio acumulado ao longo de quatro décadas por um radioamador, o personagem Paulo V.
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-09-29
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção