Frederick William Flower: Coimbrões (Pinheiros Mansos). Coleção Particular. Fotografia: Luísa Oliveira
Frederick William Flower: Coimbrões (Pinheiros Mansos). Coleção Particular. Fotografia: Luísa Oliveira

MNAC

entrada: Condições Gerais

Frederick William Flower

Um Pioneiro da Fotografia em Portugal

1994-07-12
1994-08-31
Curadoria: Vitória Mesquita / José Pessoa


O desejo de fixar, para a posterldade, a imagem do quotidiano e a transitoriedade de um rosto, sempre constituiu uma das grandes inspirações humanas. Nos começos do século XIX, as inovações da técnica deram origem a um processo revolucionário de, finalmente, satisfazer de maneira eficaz aquelo desejo. Ao entusiasmo científico gerado pelos primórdios da fotografia sucedeu uma verdadeira guerra entre os pintors e os fotógrafos: aqueles, apreensivos, reclamando a legitimidade de uma nova forma de expressão e um lugar no panorama artístico.
A passagem do tempo veio dar razão aos fotógrafos. O Lápis da Natureza oferecia possibilidades bastante mais vastas do que o mero registo passivo de um burguês anafado ou das suas propriedades, para gáudio exclusivo da sua numerosa descendência. Procurando nobilitar-se, a fotografia enveredou, inicialmente, pela imitação da própria pintura. Porém, cedo se tornou evidente que, tal como os pintores, também os fotógrafos conseguiam, mais do que reproduzir a Natureza, vê-la e conhecê-la, seleccionando determinados aspectos de acordo com a sua sensibiilidade.
E, como corolário deste processo, os próprios pintores recorreram à quela técnica que inicialmente condenavam, como fonte de inspiração para a sua nobre actividade.
Os primeiros passos da fotografia em Portugal, ainda, quase desconhecidos e, neste contexto, o contributo pioneiro de Frederick William Flower reveste-se de uma extraordinária importância. Activo entre os anos 1849 e 1859, quando entre nós despontava toda uma geração de pintores, escultores e arquitectos românticos, Flower legou-nos um valiosíssimo espólio que, generosamente preservados pelos seus herdeiros, vem finalmente esclarecer um aspecto até aqui desconhecido da arte em Portugal. A paisagem, o retrato, aspectos pitorescos da vivência quotidiana e do património monumental, são facetas da sua obra que também encontramos na pintura Romântica.
A Exposição que agora se apresenta vai, certamente, constituir um motivo de regozijo para os especialistas e para o grande público. Para além da importância universal que Flower possui - com aspectos tão importantes como o raríssimo "teste de tiras" - para além ainda das novas pistas que fornece a um necessário olhar renovado sobre a arte portuguesa, assim enriquecido, ela permite também, pela primeira vez, a redescoberta viva de aspectos desconhecidos dos nossos antepassados. No espaço privilegiado do novo Museu do Chiado, e graças ao empenho do Arquivo Nacional da Fotografia que se tem ocupado do seu estudo e conservação, esta colecção reencontra, simultaneamente, o seu lugar merecido e a sua actualidade, inaugurando uma das linhas programáticas do espaço renovado do Museu do Chiado.

Simonetta Luz Afonso


Exposição apresentada no quadro da "Lisboa - Capital Europeia da Cultura 94".


Em Exibição

Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas

2019-09-13
2020-03-22
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
A exposição dedicada a Sarah Affonso (Lisboa, 1899 – 1983) é uma de duas que, neste ano em que se celebram os 120 anos do nascimento da artista modernista, recordam a sua vida e obra
Exposição temporária

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-10-13
Curadoria: Adelaide Ginga
O projeto CT1LN de Henrique Vieira Ribeiro tem vindo a ser desenvolvido desde 2014 e consiste na interpretação artística de um espólio acumulado ao longo de quatro décadas por um radioamador, o personagem Paulo V.
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-09-29
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção