Piso 1 e 2

entrada: Condições Gerais

Falemos de casas

Quando a arte fala arquitectura [construir, desconstruir, habitar]

2010-10-16
2010-11-21
Curadoria: Delfim Sardo

Se o século XIX foi tomado pela questão da imagem, motivando intensas mudanças na nossa relação com o universo visual – com a invenção da fotografia e da imagem em movimento --, no século XX as questões do espaço invadiram as artes visuais. Por vários processos os artistas encontraram formas de tematizar o espaço vivencial, a sua representação, o lugar, a cidade e o habitar. Em vários momentos, num mundo sucessivamente destruído por conflitos globais, a arte reflectiu a necessidade de pensar o sentido da habitação, da construção afectiva do espaço, do casulo e das condições mínimas de sobrevivência. Por muitas formas a arte parece falar arquitectura, construindo campos quase sem nome, na intersecção da escultura, do filme, da arquitectura e do design. 

Seja de uma perspectiva macro ou pelo contrário, de um ponto de vista íntimo e subjectivo, a arquitectura surge como a fala destas obras. Neste contexto, a tipologia da casa, o paradigma da construção e da edificação, a detecção da estranheza arquitectónica e a produção de formas de uma cinemática do espaço continuaram a definir o contexto criativo de muitos artistas na transição do século. Por outro lado a abertura cultural e geográfica da arte contemporânea trouxeram para o interior das questões artísticas múltiplas tipologias de vivencia do espaço, bem como um fascínio pela periferia da paisagem e a reabilitação de contextos vivenciais do espaço que se situavam no campo da antropologia, da sociologia ou que não possuíam paradigmas estéticos. A exposição Quando a arte fala arquitectura: [construir/desconstruir/habitar] parte desta complexidade para efectuar um mapeamento da sua complexidade na arte dos nossos dias. Ângela Ferreira, José Pedro Croft, Carlos Nogueira e Fernanda Fragateiro apresentam projectos concebidos especificamente para esta exposição.


Artistas:

Ângela Ferreira; Bruce Nauman; Carlos Bunga; Carlos Garaicoa; Carlos Nogueira; Catherine Opie; Cildo Meireles; Damian Ortega; Dan Graham; Ed Ruscha ; Elmgreen & Dragset; Fernando Brito; Fernanda Fragateiro; Gabriel Orozco; Gordon Matta-Clark; Hans Haacke; Jimmie Durham; John Bock; Jonas Dahlberg; Jorge Macchi; José Bechara; José Pedro Croft; Juan Araújo; Julião Sarmento; Julian Rosenfeld; Luísa Lambri; Marcelo Cidade; Marcius Galan; Marepe; Mark Dion; Mateo Lopez; Miguel Ângelo Rocha; Miguel Arruda; Miroslav Balka; Nuno Sousa Vieira; Olafur Eliasson; Rita McBride; Rivane Neuenschwander; Robert Gober; Rodney Graham; Stan Douglas; Thomas Scheibitz; Thomas Schutte; Thomas Struth; Tom Sachs; Vangelis Vlahos; Wallid Raad/Atlas Group.

+ Info

Em Exibição

Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas

2019-09-13
2020-03-22
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
A exposição dedicada a Sarah Affonso (Lisboa, 1899 – 1983) é uma de duas que, neste ano em que se celebram os 120 anos do nascimento da artista modernista, recordam a sua vida e obra
Exposição temporária

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-10-13
Curadoria: Adelaide Ginga
O projeto CT1LN de Henrique Vieira Ribeiro tem vindo a ser desenvolvido desde 2014 e consiste na interpretação artística de um espólio acumulado ao longo de quatro décadas por um radioamador, o personagem Paulo V.
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-09-29
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção