Salomé Lamas. Extinção, 2018
Salomé Lamas. Extinção, 2018

Sala SONAE

entrada: Condições Gerais

SALOMÉ LAMAS, EXTINÇÃO, 2018

2018-09-21
2018-11-25
Curadoria: Emília Tavares
O mais recente filme de Salomé Lamas foi rodado em pleno conflito, durante a anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia (2014/2015) e constitui uma complexa reflexão sobre o significado de fronteira, identidade nacional e imperialismo, percorrendo checkpoints entre a Bulgária, Moldávia, Roménia e Ucrânia.

Construído como uma trama documental e ficcional, o filme centra-se num pequeno país, a Transnístria, com uma história política e social complexa que evidencia o jogo de forças que ocorre na região, entre a Rússia e os países limítrofes outrora sob a esfera da URSS. Muito embora pertencente à Moldávia, a Transnístria reclama a sua independência a par de uma integração na Federação Russa, aspiração que não é reconhecida nem pelo Kremlin, nem internacionalmente, o que não impede que exista uma clara ocupação de influência social, política e económica neste pequeno país, por parte da Rússia, criando mais um foco de tensão permanente na região.

O filme expõe também o confronto da memória (através da literatura e dos monumentos) com a decadência de um futuro, através do personagem Kolka, de nacionalidade moldava mas que reclama a sua identidade de transnístrio, vivendo em conflito entre uma identidade à deriva e um sentimento de amor incondicional à pátria, cuja idade, simbolicamente, é a mesma da queda do regime comunista. A vida de Kolja é também o reflexo de um confronto histórico entre Leste e Oeste, expondo as fragilidades do projeto da Comunidade Europeia perante a imposição de uma nova vaga de nacionalismos e regimes autocráticos.  

Extinção é um filme que toma posição, e nesse sentido coloca-nos perante a possibilidade de ultrapassar muitas das ideais pré-concebidas sobre a Europa de Leste e a sua história recente, que julgamos cristalizada numa polaridade entre comunismo e pós-comunismo, mas que se apresenta bem mais complexa, e que encontra no divórcio entre a política e a vida a sua mais gritante expressão. 

Emília Tavares

Curadora

 

 

 


Atividades

    2018-09-21 19h00
    Documentação e criação no cinema de Lamas de Salomé. Conferência por Nico Marzano
    2018-11-06 19h00
    A documentalidade na obra de Salomé Lamas. Conferência por Sara Magno
Ver todas as atividades 2

Em Exibição

Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas

2019-09-13
2020-03-22
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
A exposição dedicada a Sarah Affonso (Lisboa, 1899 – 1983) é uma de duas que, neste ano em que se celebram os 120 anos do nascimento da artista modernista, recordam a sua vida e obra
Exposição temporária

CAIS Urbana

Curadoria: Mistaker Maker
Exposição comemorativa dos 25 anos da Associação CAIS
Exposição temporária

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-10-13
Curadoria: Adelaide Ginga
O projeto CT1LN de Henrique Vieira Ribeiro tem vindo a ser desenvolvido desde 2014 e consiste na interpretação artística de um espólio acumulado ao longo de quatro décadas por um radioamador, o personagem Paulo V.
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-09-29
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção