Arte Portuguesa. Razões e Emoções

Pisos 1, 2 e 3

entrada: Condições Gerais

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES.

2018-04-20
2019-03-31
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

Ala rua Serpa Pinto

A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias do Museu, da Ala da rua Serpa Pinto. Inicia com o retrato, uma temática oitocentista, raramente abordada, em diálogos geracionais de coletivos de artistas e com obras desconhecidas de Miguel Lupi, Luciano Freire, Veloso Salgado, Duarte Faria e Maia e Constantino Fernandes.

Apresentam-se afinidades e permanências entre paisagens românticas e naturalistas, embora distintas na exaltação do sentimento e tratamento da luz natural, nostálgicos simbolismos de finais do século XIX, a partir de obras significativas e de autores pouco referenciados como António Patrício e José de Brito, e destaca-se um conjunto de pinturas inéditas do Legado Veloso Salgado, recentemente incorporado.

O sentido de modernidade das primeiras décadas do século XX, expresso pelas ligações de Amadeo de Souza-Cardoso às vanguardas internacionais, especialmente as suas propostas abstracionistas, articulam-se com os movimentos de contestação de meados do século XX e os novos parâmetros de figuração de Paula Rego, nas galerias principais do Museu. Revelam-se obras raramente mostradas de Emmérico Nunes, António Soares, Abel Manta, Bernardo Marques, Mily Possoz, Jorge Barradas, Hein Semke, Jorge Oliveira e ainda as magníficas colagens de Jorge Vieira.

Esta viagem por cento e cinquenta anos de arte portuguesa permite abordagens a autores e obras raramente mostradas, contextualizando razões, entre emoções e sensibilidades artísticas. A proposta curatorial aponta para uma reflexão sobre os envolvimentos sociais e políticos, e as noções do modo de ser moderno, desde o século XIX, ao distinguir no percurso cronológico, as continuidades e mudanças, os gostos e conceitos, na mais completa coleção de arte contemporânea, a próxima e a original, justificando assim a denominação deste Museu, fundado em 1911.

(M.A.S)

Ala rua Capelo

A afirmação do Pós Modernismo na arte portuguesa sucedeu a uma neovanguarda experienciada em período pré e pós-revolucionário, em contexto complexo e ambivalente. O abandono de algumas das linhas estéticas mais radicais, intimamente ligadas a uma utopia económica e política marxista, daria lugar à expressividade de alguns dos conceitos basilares da pós-modernidade como simulacro, autorreflexividade, alegoria, anti narrativa, indistinção entre cultura elitista e popular e uma rejeição de meta-discursos de qualquer natureza. Através de sete núcleos, Retorno à Pintura, Alegoria, Autorreflexividade e Identidade, Anti Narrativa, Distopia da Arquitetura Modernista, Crítica da Paisagem e  Medium e Simulacro, reúnem-se obras da coleção do MNAC-MC, ou em depósito, que se inserem na gramática da pós-modernidade, ou que dela derivam através dos desenvolvimentos por parte de artistas de gerações mais recentes.

(E.T.)
 
Guião da exposição

Apoios

Atividades

  • 2018-10-11 18h30
    Visita Guiada por Maria de Aires Silveira
  • 2018-10-21

    16h00
    17h00
    “Um profeta visionário”. Conversa em torno da escultura Jeremias, de Hein Semke.
Ver todas as atividades 2