Sala SONAE

entrada: Condições Gerais

JOÃO LEONARDO

DECADANÇA

2017-09-08
2017-12-03
Curadoria: Celso Martins
A produção artística de João Leonardo tem conhecido diversas estratégias de consumação mas tem-se mantido fiel a um núcleo essencial de assuntos: as políticas do corpo, o controlo social e a identidade  atravessam decisivamente esta produção que vista mais de perto revelará ainda uma dissecação mais específica dos temas do vício, da compulsão e da ideia de decadência.

Esta linha de trabalho materializou-se decisivamente na utilização artística mais sistemática que João Leonardo vem fazendo dos cigarros que fuma, agindo como um recoletor do seu próprio desperdício, tornando-o sintomático de circunstâncias biográficas e emocionais ou gerando com ele imagens paradoxais.

O fumo regressa na mostra que João Leonardo agora nos oferece mas com uma presença mais subtil e capaz de iluminar o perfil do seu percurso anterior. A apresentação é composta por duas peças que estabelecem uma evidente relação dialética: no vídeo “Un portugais, c’est un autre portugais” Leonardo recupera uma entrevista radiofónica dada pela escritora francesa Marguerite Duras em 1976. O artista resgata o conteúdo verbal  e o som original: ouvimos os cigarros que Duras fuma ininterruptamente, mas também o som do gelo no copo de whisky, a espessura da voz, a respiração, vestígios de características idiossincráticas de Duras, que não vemos nunca. A única referência visual no vídeo é o movimento do fumo e os seus torvelinhos hipnóticos no espaço ao longo do tempo de um cigarro poisado num cinzeiro colocado fora de campo. Trata-se de uma dança lenta e sem destino tão evanescente e desmaterializada que contrasta com as palavras de Duras repletas de questionamentos e perplexidades. O artista intervém pela tradução e dramatização pessoal do texto, uma espécie de duplicação fantasmagórica que reforça a tese implícita nas palavras da escritora francesa: a impossibilidade de um auto-retrato e de uma definição pessoal quer pela obra, quer pela soma das condições identitárias pessoais e políticas.

Esta peça deve ver-se em franca sintonia com a escultura-imagem que dá título à exposição. Nela encontramos dois dos livros mais canónicos do século XX (respetivamente “A interpretação dos sonhos” de Sigmund Freud e “O capital” de Karl Marx) que Leonardo junta num aquário, submersos em... whisky. Referência direta à decadência dos modelos sistémicos explicativos da realidade que formataram o século XX e às aspirações emancipatórias, bem como aos desígnios artísticos a que se associaram, “Decadança” não é tanto uma ironia iconoclasta como um manifesto pela essencial impureza do gesto artístico.

 

Atividades

    2017-12-02 15h00
    Visita guiada pelo artista e pelo curador
Ver todas as atividades 1

Em Exibição

Inês Norton.

Please [do not] touch

2019-06-28
2019-10-27
Curadoria: Adelaide Ginga e Emília Ferreira
Esta exposição de Inês Norton sublinha a necessidade de recuperar a plena consciência do corpo, sob pena de perdermos o essencial do que é ser humano
Exposição individual

Henrique Vieira Ribeiro. O Arquivista. Projeto CT1LN: parte II

2019-06-19
2019-09-15
Curadoria: Adelaide Ginga
Exposição interactiva que consiste na Parte II do Projecto CT1LN, um projecto artístico que teve por mote o espólio de um rádio amador. A segunda parte, que aqui se apresenta, deixa ao público a exploração do tema
Exposição individual

Rui Macedo. (In)dispensável ou a pintura que inquieta a colecção do museu

2019-05-14
2019-09-29
Curadoria: Emília Ferreira
Recordando-nos que um artista é um caçador-recolector, um respigador de sentidos, de formas, problemas e propostas, esta exposição relembra-nos que um museu é um local de constante e inquietante descoberta.
Exposição temporária

A incontornável tangibilidade do livro ou o ANTI-LIVRO

2019-03-22
2019-08-04
Curadoria: Luis Alegre e Adelaide Ginga
Materialmente estimulante, imaterialmente ilimitado, o Livro é talvez, o objeto dos objetos
Exposição Coletiva

ARTE PORTUGUESA. RAZÕES E EMOÇÕES

2018-04-20
2019-10-27
Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira
A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias da Ala da rua Serpa Pinto
Exposição da coleção